Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

booksmoviesanddreams

booksmoviesanddreams

Livros que morrerão comigo:

"Norte e Sul" de Elizabeth Gaskell
"O monte dos Vendavais" de Emily Bronte
"Jane Eyre" de Charlotte Bronte
"Villette" de Charlotte Bronte
"A inquilina de Wildfell Hall" de Anne Bronte
"Orgulho e Preconceito" de Jane Austen
"Persuasão" de Jane Austen
"A mulher do viajante no tempo" de Audrey Niffenegger
"Em nome da memória" de Ann Brashares
"Charlotte Gray" de Sebastian Faulks
"A casa do destino" de Susana Prieto e Lea Vélez
"De mãos dadas com a perfeição" de Sofia Bragança Buchholz
"Rebecca" de Daphne Du Maurier
"O cavaleiro de Bronze" de Paulina Simons
"Enquanto estiveres aí" de Marc Levy
"O segredo de Sophia" de Susanna Kearsley

Downton Abbey (1ª parte)

Sandra F., 15.10.11

Comecei a ver a série britânica Downton Abbey há uns dias. Ainda só vi dois episódios mas já estou completamente rendida. À série e a Hugh Bonneville que interpreta o Duque de Grantham. Já o conhecia de outros papéis mas nunca o apreciei como aqui. Lembro-me dele como Bernie em Notting Hill e como Mr Rushworth em Mansfield Park (ambos de 1999) e ainda como Mr Bennet em Lost in Austen (2008). Uma evolução fabulosa; um actor maduro, seguro e perfeitamente adequado ao papel.

 

 

Temos também a presença de Brendan Coyle que interpretou Nicholas Higgins em North and South (2004). Um actor maravilhoso que já admirava desde a série de 2004 mas que agora me surpreende com a sua delicadeza e simplicidade neste papel. Interpreta John Bates, valete do Duque e seu velho conhecido dos tempos de guerra. É coxo devido a um problema no joelho e isso trouxe-lhe problemas na adaptação e aceitação nessa função. Cortou-me o coração vê-lo chorar sozinho quando foi despedido. Contudo, o Duque, dando-nos uma cena emocionante de amizade e rectidão, reaceita-o como empregado independentemente da sua incapacidade e indo contra quase todos os restantes empregados e até da restante família. 

Ainda não vi o terceiro episódio mas até agora, os dois que vi, no final, presentearam-me sempre com uma sensação de conforto e crença nos valores humanos. Primeiro, quando Lorde Grantham readmite John Bates apesar do seu problema físico e no segundo quando Matthew Crawley (Dan Stevens) aceita finalmente a ajuda profissional do seu recém-destacado valete, Molesley, dando a entender que finalmente aceita a função do criado como algo digno e que define quem o outro é.

 Quando terminar esta primeira temporada, dou mais notícias.