Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

booksmoviesanddreams

booksmoviesanddreams

Livros que morrerão comigo:

"Norte e Sul" de Elizabeth Gaskell
"O monte dos Vendavais" de Emily Bronte
"Jane Eyre" de Charlotte Bronte
"Villette" de Charlotte Bronte
"A inquilina de Wildfell Hall" de Anne Bronte
"Orgulho e Preconceito" de Jane Austen
"Persuasão" de Jane Austen
"A mulher do viajante no tempo" de Audrey Niffenegger
"Em nome da memória" de Ann Brashares
"Charlotte Gray" de Sebastian Faulks
"A casa do destino" de Susana Prieto e Lea Vélez
"De mãos dadas com a perfeição" de Sofia Bragança Buchholz
"Rebecca" de Daphne Du Maurier
"O cavaleiro de Bronze" de Paulina Simons
"Enquanto estiveres aí" de Marc Levy
"O segredo de Sophia" de Susanna Kearsley

Virtual Sexuality (1999)

Sandra F., 11.10.11

Um filme para teenagers que eu tinha de ver. Não podia deixar de conferir um dos primeiros trabalhos de sucesso do actor Rupert Penry-Jones que aqui tem um papel bastante engraçado, interpretando Jack, o homem ideal mas virtual de uma jovem adolescente, Justine.

O enredo do filme conta-nos a história de Justine, uma adolescente de dezassete anos, que vive preocupada por ainda ser virgem e que conta com a ajuda da sua melhor amiga Fran para elaborar planos que a tirem dessa 'dolorosa' situação. É justamente quando o rapaz mais interessante da escola a deixa pendurada para sair com outra rapariga, que ela, desiludida, vai com o seu amigo nerd Chas a uma feira de informática onde se mete numa máquina que lhe permite criar o seu homem perfeito, validando a ideia do 'If you can't find the perfect guy, make one!' Daqui surgem várias situações hilariantes que terminam com a ideia de que o homem perfeito nem sempre é como o imaginámos. 

Trata-se, no fundo, de uma comédia romântica, destinada não apenas ao universo adolescente mas que também será bem vista por um adulto. Os diálogos são interessantes, as manobras bem conhecidas por todos aqueles que já passaram ou estão a passar pela fase da adolescência e os actores estão muito bem escolhidos. Rupert Penry-Jones é hilariante, principalmente  no início quando se 'descobre' homem.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.