Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

booksmoviesanddreams

booksmoviesanddreams

Livros que morrerão comigo:

"Norte e Sul" de Elizabeth Gaskell
"O monte dos Vendavais" de Emily Bronte
"Jane Eyre" de Charlotte Bronte
"Villette" de Charlotte Bronte
"A inquilina de Wildfell Hall" de Anne Bronte
"Orgulho e Preconceito" de Jane Austen
"Persuasão" de Jane Austen
"A mulher do viajante no tempo" de Audrey Niffenegger
"Em nome da memória" de Ann Brashares
"Charlotte Gray" de Sebastian Faulks
"A casa do destino" de Susana Prieto e Lea Vélez
"De mãos dadas com a perfeição" de Sofia Bragança Buchholz
"Rebecca" de Daphne Du Maurier
"O cavaleiro de Bronze" de Paulina Simons
"Enquanto estiveres aí" de Marc Levy
"O segredo de Sophia" de Susanna Kearsley

Imortais (2011)

Sandra F., 27.11.11
Não posso dizer que seja grande fã deste tipo de filme. Mas gosto de ver! E gostei de ver este apesar de ter algumas cenas bastantes violentas e sangrentas. A história, contudo, é agradável e acompanha-se muito bem, apesar de não mostrar nada de novo: humanidade em guerra, Deuses lá no Olimpo vigiando e tentando não interferir com o decurso das situações. Estou a lembrar-me de 'Clash of Titans', um filme deste género, cuja história já não tenho bem presente mas que sei ter apreciado dentro deste género.
O filme tem muitas decepações; ele é pernas, braços e cabeças decepadas, gargantas abertas, espinhas dorsais cortadas horizontal e verticalmente, enfim... um mar de sangue não aconselhável a olhos mais sensíveis. De resto a história é algo banal. Destaco a presença dos Deuses do Olimpo. Para mim, foram eles os protagonistas das cenas mais emocionantes, especialmente Zeus, rei dos deuses, dos céus e do trovão e soberano do Monte Olimpo.

Deixo o trailer. Não me apetece contar a história. Destaco no entanto a participação do protagonista Henry Cavill (Charles Brandon em 'Os Tudors') como Theseus e ainda Luke Evans como Zeus (a minha companheira de cinema anda encantadinha com este fulano desde que o viu como Aramis nos Três Mosqueteiros (2011)). Temos ainda um Mickey Rourke irreconhecível como Rei Hyperion (o inimigo); só me apercebi que era ele nos créditos finais do filme. E isto não pode ser falar só das actuações masculinas. A actriz Freida Pinto que interpreta Freda, o Oráculo, é lindissíma e faz bom par com Henry Cavill (que deve andar a treinar os músculos pois vai ser o próximo superman) apesar das cenas românticas não serem muitas. Na realidade, para mim, ela só dorme com ele para deixar de ter aquelas visões futurísticas.... (ups... spoilers).