Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

booksmoviesanddreams

booksmoviesanddreams

Livros que morrerão comigo:

"Norte e Sul" de Elizabeth Gaskell
"O monte dos Vendavais" de Emily Bronte
"Jane Eyre" de Charlotte Bronte
"Villette" de Charlotte Bronte
"A inquilina de Wildfell Hall" de Anne Bronte
"Orgulho e Preconceito" de Jane Austen
"Persuasão" de Jane Austen
"A mulher do viajante no tempo" de Audrey Niffenegger
"Em nome da memória" de Ann Brashares
"Charlotte Gray" de Sebastian Faulks
"A casa do destino" de Susana Prieto e Lea Vélez
"De mãos dadas com a perfeição" de Sofia Bragança Buchholz
"Rebecca" de Daphne Du Maurier
"O cavaleiro de Bronze" de Paulina Simons
"Enquanto estiveres aí" de Marc Levy
"O segredo de Sophia" de Susanna Kearsley

Desejando uma estrela...

Sandra F., 11.07.11

Durante anos da sua vida ela desejou uma estrela que lhe seguisse os passos, que lhe trouxesse novidades dele: o que fazia, se era feliz...

 

Durante nos da sua vida ela desejou que ele fosse mais que uma mera fantasia, uma pessoa que a transportava para um mundo de magia só dela, um mundo só dela... e dele; um mundo povoado de magia, onde não existia passado ou futuro, apenas o momento...

 

Durante anos da sua vida ela aprendeu a viver com esse sentimento, que na maioria das vezes não sabia explicar nem a ela mesma. Amou-o sem limites, sem medo, sem nexo e sem culpa. Aprendeu a aceitá-lo como se fizesse parte de si, quase como se com ela ele tivesse nascido. E soube sempre que, independentemente das voltas que a sua vida desse, sabia que ele estaria sempre presente nela; até que deixasse de existir.

 

Mas um dia... a estrela trouxe-lhe más novas. E parte da sua vida ruíu. Não ficou doente mas teve a certeza que, nesse dia, uma parte importante do seu coração morreu também. Congelou durante dias, tentou existir com normalidade, tentou lidar o melhor que pode com a sensação de perda, de solidão e de dormência.

Mas, à noite, quando a luz se apagava e tudo ficava
silencioso, o desepero apoderava-se dela. Perdera o suporte da sua vida, o seu porto seguro e secreto, perdera a única coisa a que se agarrava nos momentos de solidão e tristeza. Perdera o sonho e a magia, a capacidade de sonhar e de se sentir parte do mundo.

 

Durante semanas, morbidamente, adormeceu junto do seu ombro, envolta nele e na escuridão do seu túmulo. Era aí que se sentia bem, protegida e segura. E só aos poucos foi acordando da sua dormência, do seu estado de luto e de luta contra o desabar total da sua existência.Um dia, depois das luzes apagadas e de ter o silêncio como companhia, ele sorriu-lhe. Estava sentado num banco de jardim, tranquilo, saudável, os olhos brilhantes. Não sabe o que ele lhe falou mas transmitiu-lhe muita serenidade e devolveu-lhe a paz de espírito.

 

E desde esse dia, sempre que ela precisa dele, encontra-o naquele banco de jardim, sorridente, afável e seu; é novamente o seu porto seguro, a sua fonte de magia e sonho. O seu anjo da guarda. 

 

28 Dezembro de 1995"Feliz ano novo..."